Mauricio Kartun e o teatro argentino

Em setembro o Instituto Augusto Boal dedicará suas publicações a difusão do Teatro Latino-americano, apresentando diversos grupos e suas conexões com o trabalho de Augusto Boal. Falaremos hoje de Mauricio Kartun, o autor da peça Ala de criados, que será apresentada no SESC Bom Retiro a partir do dia 15 de setembro, sexta-feira, com direção de Marco Antonio Rodrigues e parceria do Instituto Augusto Boal.

Mauricio Kartun é dramaturgo, diretor e professor de dramaturgia. Seu trabalho é de extrema importância para a dramaturgia argentina contemporânea. Suas obras da década de 1980 Chau Misterix, La Castia de los viejos e Cumbia morena cumbia são reconhecidas pela crítica teatral por trabalhar com o realismo reflexivo e utilizar ricos procedimentos teatrais.

Kartun fez parte do grupo teatral argentino El Machete, que encenou em 1973 na extinta Sala Planeta em Buenos Aires a peça “Ay, Ay! No hay Cristo que aguante, no hay!” adaptação de “Revolução na América do Sul”, com a direção de Augusto Boal.

Acervo Instituto Algusto Boal

Mauricio Kartun (à esquerda) e outros em cena da peça “Ay, Ay! No hay Cristo que aguante, no hay!” (1974)

A foto pode ser encontrada em nosso acervo online: http://www.acervoaugustoboal.com.br/

Em 1986 Mauricio Kartun participa a convite de Augusto Boal de um workshop sobre Teatro do Oprimido em Orvelte, norte de Holanda.

315964_10150422856148838_1837711842_n

Cecilia Boal, Mauricio Kartun e Augusto Boal em workshop em Orvelte, Holanda.

Kartun continua atuante no teatro argentino e é ganhador de diversos prêmios de dramaturgia. Em 2014 estreou sua peça Terrenal, escrita e dirigida por ele, que continua em cartaz no Teatro del Pueblo em Buenos Aires.

Às vistas com Victor Zavala Cataño e seu Teatro Campesino – Texto de Patricia Freitas

Em Setembro o Instituto Augusto Boal dedicará suas publicações a difusão do Teatro latino-americano, apresentando diversos grupos e suas conexões com o trabalho de Augusto Boal.  Víctor Zavala Cataño revolucionou a cultura peruana dos anos de 1960 e 1970. Seu texto “El gallo” será lido dia 15 de Setembro, sexta-feira que vem, em evento idealizado pelo Insituto Augusto Boal no Sesc Bom Retiro às 14h.

Patricia Freitas é pesquisadora de Teatro Latino-americano e conta um pouco da relevância do trabalho de Cataño para o teatro:

ÀS VISTAS COM VICTOR ZAVALA CATAÑO E SEU TEATRO CAMPESINO

Victor Zavala é um dos poucos homens de teatro no Peru que efetivamente soube conjugar teatro e política; formação artística e militância; arte e preocupação social, levando suas propostas ao extremo do posicionamento ideológico e político. Talvez seja por essa mesma razão que o dramaturgo e diretor, ao mesmo tempo que se mostra como uma figura altamente respeitada no meio teatral latino-americano, também é constantemente amordaçado pelas forças dirigentes do país que ainda custam a afirmar a importância de sua obra capital publicada em 1969, Teatro Campesino.

Não é à toa que Zavala já esteve encarcerado em regime de segurança máxima por duas
vezes: a primeira aconteceu em 1987 e manteve nosso autor enclausurado ilegalmente por cerca de dez meses sem que houvesse ordem judicial alguma para a sua prisão; já a segunda, em 1991, ocorreu principalmente em decorrência da alegação de que Zavala estaria supostamente impulsionando práticas terroristas no Peru junto ao grupo guerrilheiro de orientação maoísta Socorro Popular, grupo este filiado ao Partido Comunista Sendero Luminoso (PCP). É por conta dessa condenação que Zavala permanece até hoje, aos 81 anos de idade, na penitenciária de Miguel Castro Castro (Lima), sob rígido controle estatal e precárias condições de sobrevivência.

É, no entanto, a restrita circulação de seu único livro – uma compilação de sete peças de sua autoria cujo enfoque é dado às questões camponesas de seu país – um significativo entrave ao debate a respeito da produção cultural da América Latina. Atualmente, mínimos são os esforços em um tempo apático e catastrófico de memorar e reinterpretar Teatro Campesino como uma obra que, ao buscar dialogar com sua matéria histórica, muito ilumina os desvios e inflexões dos projetos políticos e das utopias da década de 60.
Em meio às peças apresentadas no livro, há uma estrutura de sentimento que permeava o Cone Sul e demandava um certo intercâmbio entre os países de ideologias e expectativas em relação a um futuro que se pensava promissor. No Brasil, Teatro Campesino recebeu a devida atenção de ninguém mais, ninguém menos que Augusto Boal: em 1971, Boal seleciona a peça El Gallo para integrar a Feira Latino-Americana de Opinião, evento também comumente apartado na história de nosso teatro.

A peça, apresentada durante a Feira na Igreja Saint Clement (Nova York) junto a obras
como La Autopsia (Enrique Buenaventura), Torquemada (Augusto Boal), Animália (Gianfrancesco Guarnieri), El Avión Negro (Ricardo Halac, Roberto Cossa, Herman Rosenmacker e Carlos Somigliana) e La Tortura y Otras Formas de Dialogo (Jorge Diaz), foi a única a tratar o acirramento das lutas de classe através da temática rural e do ponto de vista dos camponeses, fator que engendrou e catalisou um maior interesse em diversos artistas de teatro que levaram adiante uma proposta de fazer teatral “ético”, pensado, sobretudo, a partir de suas próprias condições produtivas em um continente em que mais da metade da população sobrevivia no cenário agrário.

El Gallo, que buscamos aqui apresentar em língua portuguesa, ainda é um material inédito no Brasil e de muito pouca circulação em língua espanhola. Nela, Zavala perfila um universo que lhe é familiar, ou seja, o mundo dos camponeses indígenas e de suas relações de trabalho regidas pela lógica da servidão com um outro (“cristão”) não muito bem definido. Através do didatismo e da potência das imagens presentes nos diálogos, El Gallo extrai sua força artística e assume seu caráter processual justamente por apostar na incompletude da trama dramatúrgica em relação ao impacto da cena no trâmite entre palco e plateia..

É assim que a peça abusa das pantomimas e dos recursos de tom farsesco de modo a
acentuar o que falta, o que não é produto e o que não se coaduna com o teatro dito “bem-feito”. A ausência de condições materiais para a elaboração cênica, isto é, um cenário convencional, figurinos ou maquiagens que atraíssem a plateia para um jogo ilusório, foi em parte responsável pela emancipação de uma forma teatral que buscou, em primeira instância, que o espectador duvidasse do que estivesse vendo, inclusive se a ficção não poderia conter em si mais realidade do que a vivência no mundo, onde todos são um tanto forçados, ainda que inconscientemente, a descolar-se do real. Daí, o tom didático exprime o que há de melhor: a simplificação assume como força propulsora o trabalho de mola para o salto qualitativo da reflexão, que – aos mais otimistas – poderá guiar o processo de conscientização coletiva.

Por isso a peça, apoiada em um argumento chinês (método tão caro a Bertolt Brecht),
representa a luta de classes através de personagens tipificados chamados Camponeses 1, 2 e 3, os quais têm de enfrentar a consciência de suas parcas condições de trabalho pelo companheiro Jovem.

Essa epicização da forma dramática, que vai na contramão de todo e qualquer aspecto individual e moralizante, corroborá no seguinte questionamento pelos personagens camponeses: quem será o inimigo coletivo? Será o galo que, com o seu canto, açoita os trabalhadores ao longo da noite? Ou, em vez de uma força da natureza, não seria uma espécie de segunda natureza a quem convencionamos chamar de lógica do trabalho?
No final dos anos 60, momento em que a escravidão parecia sinalizar algo longe de vista e desumano, não custava lembrar como Maria Sílvia de Carvalho Franco bem o fez, que a economia periférica era, em linhas gerais, regida por uma herança que não deixava de apontar o nosso futuro.

Zavala fez com que a questão tomasse os palcos na época e sua peça ainda nos ameaça com o fato de que talvez o capataz esteja escondido e camuflado em meio aos cacarejos de um galo e que, por isso mesmo, atue com mais persistência e mais perversidade em nossa América Latina.

Torquemada no Peru

Em 1973 foi feita uma montagem da peça escrita por Augusto Boal “Torquemada” pelo Teatro Universitario de Trujillo. Augusto Boal escreveu o texto em 1971 após ser preso e torturado pelo Regime Militar. No livro “Teatro de Augusto Boal”(1968) o autor diz: “Torquemada” conta minha vida na cela do Presídio Tiradentes, tenta contar a vida do povo no imenso presídio em que transformaram o Brasil.”

Crítica do poeta peruano Manuel Ibañez Rosazza publicada em 1974:

 

torquemadaperu

Para melhor visualização da matéria clique aqui

Acervo Instituto Algusto Boal

O cartaz de Torquemada no Teatro Universitario de Trujillo está também em nosso acervo online: http://www.acervoaugustoboal.com.br/

Rosa Luiza Márquez e o teatro em Porto Rico

Em Setembro o Instituto Augusto Boal dedicará suas publicações a difusão do Teatro latino-americano, apresentando diversos grupos e suas conexões com o trabalho de Augusto Boal.

Iniciamos com Rosa Luisa Márquez e o teatro em Porto Rico!

Rosa Luisa Márquez é artista de teatro e pedagoga porto riquenha. Começou sua carreira na Universidade de Porto Rico em 1978. Oferece cursos de teatro em escolas, prisões, centros de reabilitação, espaços para mulheres, centros comunitários, entre outros. Publicou os livros “Brincos y Saltos: el juego como disciplina teatral” e “Historias para ser contadas, montaje de Rosa Luisa Márquez”.

Rosa Luisa trabalhou em conjunto com Augusto Boal e o Teatro do Oprimido em diversas ocasiões, principalmente na chamada Fábrica de Teatro Popular em 1986, projeto de Darcy Ribeiro de utilizar o teatro para discutir cidadania, direito, igualdade, entre tantas outras coisas nos CIEPs.

Fotos de Fabian Boal (1986)