A Primeira Feira Paulista de Opinião na imprensa #dossiedaFeira

A Primeira Feira Paulista de Opinião foi produzida pelo Teatro de Arena em 1968, com direção de Augusto Boal.

Em setembro do mesmo ano o Teatro de Arena leva o espetáculo para o Rio de Janeiro a ser apresentado no Teatro Carioca, como publicado nesta matéria d´O Jornal em 15 de setembro de 1968, que pode ser acessada aqui.

Durante o mês de Julho aqui no facebook e no blog postaremos o #dossiedaFeira com matérias de jornal e registros da Primeira Feira Paulista de Opinião.

Programa da Primeira Feira Paulista de Opinião

Programa - Primeira Feira Paulista de Opinião (dragged)
A Primeira Feira Paulista de Opinião foi produzida pelo Teatro de Arena em 1968, com direção de Augusto Boal e reuniu dramaturgos como Lauro César Muniz, Bráulio Pedroso, Gianfrancesco Guarnieri, Plínio Marcos e Augusto Boal e compositores como Edu Lobo, Caetano Veloso, Ary Toledo, Sérgio Ricardo e Gilberto Gil. Os artistas deveriam criar obras levantando a questão: “O que pensa você do Brasil de hoje?”
A peça foi submetida à Censura, porém chegou a ser apresentada na íntegra. Em dezembro é instaurado o AI-5 (Ato Institucional 5) e a repressão e censura se agravam, não sendo mais possível apresentar a Feira.
Você pode acessar o programa da Primeira Feira Paulista de Opinião com o famoso texto de Augusto Boal “Que pensa você da arte de esquerda?” aqui.

A traviata e a sambópera de Augusto Boal

No ano de 1999 o dramaturgo Augusto Boal inaugura a sambópera, a releitura de obras operísticas da tradição clássico-romântica. Nesta releitura o dramaturgo problematiza a questão do multiculturalismo no seio da sociedade brasileira.  “A Traviata: A Metáfora do Desejo” foi encenada em 2002, no Teatro Glaucio Gil com a direção geral de Augusto Boal e a direção musical de Jayme Vignoli.

Na foto, a atriz Ana Baird em cena.

#dobaudoboal

Traviata6 (2).jpeg

Teatro Fórum com a peça Panchito Gonzalez

No dia 11 de abril de 2017 na Casa Rio, a Companhia Atores da Fábrica encenou o texto “Panchito Gonzalez”, uma adaptação do texto do dramaturgo argentino Osvaldo Dragún. A encenação faz parte o ciclo Teatro e Economia, idealizado pelo Instituto Augusto Boal e o economista Luiz Mario Behnken e teve a participação de Eduardo Pinto, professor da Escola de Economia da UFRJ.

A ideia é promover o debate sobre questões econômicas a partir de cenas teatrais. Esta cena lidava com a questão do desemprego e logo após a encenação, foi realizado um Teatro Fórum utilizando as técnicas de Teatro do Oprimido.

No canal no youtube do Instituto Augusto Boal há todo o material deste dia e o vídeo do Teatro Fórum pode ser conferido neste link.

Homenagem a Nelson Xavier

Trazemos aqui documentos que mostram a importância de Nelson Xavier, autor, diretor e ator e sua relação com Augusto Boal e o teatro brasileiro. Nossa saudosa homenagem a este fabuloso artista que nos deixou hoje.

  • Foto de Nelson Xavier na peça “Chapetuba Futebol Clube”, escrita por Oduvaldo Vianna Filho e dirigida por Augusto Boal no Teatro de Arena em 1959.
xavier

Nelson Xavier, Xandó Batista e Milton Gonçalves em “Chapetuba Futebol Clube” (1959). Foto Hejo. Cedoc-Funarte.

  • Carta de 1982 de Nelson Xavier a Augusto Boal

“Você se lembra que nunca me entusiasmei muito com interpretação, lembra que eu desejava mesmo era escrever e dirigir. Pois bem, aconteceu uma coisa mágica este ano, que modificou isso. Eu interpretei Lampião, um seriado curto (8 capítulos) chamado pelo Grisolli. E não é que eu fiquei apaixonado como nunca na vida – não estou exagerando – por um personagem?”

Confira a carta na íntegra:

0079