Mauricio Kartun e o teatro argentino

Em setembro o Instituto Augusto Boal dedicará suas publicações a difusão do Teatro Latino-americano, apresentando diversos grupos e suas conexões com o trabalho de Augusto Boal. Falaremos hoje de Mauricio Kartun, o autor da peça Ala de criados, que será apresentada no SESC Bom Retiro a partir do dia 15 de setembro, sexta-feira, com direção de Marco Antonio Rodrigues e parceria do Instituto Augusto Boal.

Mauricio Kartun é dramaturgo, diretor e professor de dramaturgia. Seu trabalho é de extrema importância para a dramaturgia argentina contemporânea. Suas obras da década de 1980 Chau Misterix, La Castia de los viejos e Cumbia morena cumbia são reconhecidas pela crítica teatral por trabalhar com o realismo reflexivo e utilizar ricos procedimentos teatrais.

Kartun fez parte do grupo teatral argentino El Machete, que encenou em 1973 na extinta Sala Planeta em Buenos Aires a peça “Ay, Ay! No hay Cristo que aguante, no hay!” adaptação de “Revolução na América do Sul”, com a direção de Augusto Boal.

Acervo Instituto Algusto Boal

Mauricio Kartun (à esquerda) e outros em cena da peça “Ay, Ay! No hay Cristo que aguante, no hay!” (1974)

A foto pode ser encontrada em nosso acervo online: http://www.acervoaugustoboal.com.br/

Em 1986 Mauricio Kartun participa a convite de Augusto Boal de um workshop sobre Teatro do Oprimido em Orvelte, norte de Holanda.

315964_10150422856148838_1837711842_n

Cecilia Boal, Mauricio Kartun e Augusto Boal em workshop em Orvelte, Holanda.

Kartun continua atuante no teatro argentino e é ganhador de diversos prêmios de dramaturgia. Em 2014 estreou sua peça Terrenal, escrita e dirigida por ele, que continua em cartaz no Teatro del Pueblo em Buenos Aires.

Torquemada no Peru

Em 1973 foi feita uma montagem da peça escrita por Augusto Boal “Torquemada” pelo Teatro Universitario de Trujillo. Augusto Boal escreveu o texto em 1971 após ser preso e torturado pelo Regime Militar. No livro “Teatro de Augusto Boal”(1968) o autor diz: “Torquemada” conta minha vida na cela do Presídio Tiradentes, tenta contar a vida do povo no imenso presídio em que transformaram o Brasil.”

Crítica do poeta peruano Manuel Ibañez Rosazza publicada em 1974:

 

torquemadaperu

Para melhor visualização da matéria clique aqui

Acervo Instituto Algusto Boal

O cartaz de Torquemada no Teatro Universitario de Trujillo está também em nosso acervo online: http://www.acervoaugustoboal.com.br/

Augusto Boal no Peru

Em Setembro o Instituto Augusto Boal dedicará suas publicações a difusão do Teatro latino-americano, apresentando diversos grupos e suas conexões com o trabalho de Augusto Boal.

Em 1970 após o AI-5 (Ato Institucional numero 5) o Teatro de Arena viaja para fora do Brasil em turnê para Nova York, México, Peru e Argentina com as peças “Arena conta Zumbi”e “Arena conta Bolívar”.

Acervo Instituto Algusto Boal

Augusto Boal, Cecilia Thumim, Fabian Boal, Fernando Peixoto e duas pessoas não identificadas.

A foto encontra-se também em nosso acervo online: http://www.acervoaugustoboal.com.br/

 

Rosa Luiza Márquez e o teatro em Porto Rico

Em Setembro o Instituto Augusto Boal dedicará suas publicações a difusão do Teatro latino-americano, apresentando diversos grupos e suas conexões com o trabalho de Augusto Boal.

Iniciamos com Rosa Luisa Márquez e o teatro em Porto Rico!

Rosa Luisa Márquez é artista de teatro e pedagoga porto riquenha. Começou sua carreira na Universidade de Porto Rico em 1978. Oferece cursos de teatro em escolas, prisões, centros de reabilitação, espaços para mulheres, centros comunitários, entre outros. Publicou os livros “Brincos y Saltos: el juego como disciplina teatral” e “Historias para ser contadas, montaje de Rosa Luisa Márquez”.

Rosa Luisa trabalhou em conjunto com Augusto Boal e o Teatro do Oprimido em diversas ocasiões, principalmente na chamada Fábrica de Teatro Popular em 1986, projeto de Darcy Ribeiro de utilizar o teatro para discutir cidadania, direito, igualdade, entre tantas outras coisas nos CIEPs.

Fotos de Fabian Boal (1986)

 

 

Boca no Trombone! – O mandato político de Augusto Boal

No início da década de 1990, Augusto Boal foi vereador do Rio de Janeiro pelo Partido dos Trabalhadores (PT).

Augusto Boal transformou a política tornando seus assessores os membros do Centro de Teatro do Oprimido e utilizando o teatro como método para a formulação de leis.

campanha7

O mês de Agosto será destinado a divulgação do trabalho de Boal como vereador e o Teatro Legislativo. #Boalvereador