Homenagem a Nelson Xavier

Trazemos aqui documentos que mostram a importância de Nelson Xavier, autor, diretor e ator e sua relação com Augusto Boal e o teatro brasileiro. Nossa saudosa homenagem a este fabuloso artista que nos deixou hoje.

  • Foto de Nelson Xavier na peça “Chapetuba Futebol Clube”, escrita por Oduvaldo Vianna Filho e dirigida por Augusto Boal no Teatro de Arena em 1959.
xavier

Nelson Xavier, Xandó Batista e Milton Gonçalves em “Chapetuba Futebol Clube” (1959). Foto Hejo. Cedoc-Funarte.

  • Carta de 1982 de Nelson Xavier a Augusto Boal

“Você se lembra que nunca me entusiasmei muito com interpretação, lembra que eu desejava mesmo era escrever e dirigir. Pois bem, aconteceu uma coisa mágica este ano, que modificou isso. Eu interpretei Lampião, um seriado curto (8 capítulos) chamado pelo Grisolli. E não é que eu fiquei apaixonado como nunca na vida – não estou exagerando – por um personagem?”

Confira a carta na íntegra:

0079

 

Programa da Feira Latinoamericana de Opinião (1971)

Fair of Opinion program

Em 1971, durante uma viagem aos Estados Unidos, Augusto Boal cria a Feira Latinoamericana de Opinião, ampliando e desdobrando a ideia da Feira Paulista de 1968 , um evento, mais que um  espetáculo , que marcou a sua época pela coragem e ousadia de todos os participantes , incluindo o público que acompanhava solidário essa arrojada ação do Teatro Arena .

Nesta nova Feira, a Latinoamericana, Boal incorpora uma nova dimensão, as mesas de debates , para discutir questões tais  como: “Teatro e revolução… que revolução?” , “Teatro nas prisões”, “O papel das Igrejas na transformação da sociedade”, “As relações entre Estados Unidos e Brasil” e “Porque o Chile é diferente?” com relevantes personalidades da época.

Segue na íntegra o programa da Feira, dirigida por Boal e produzida pelo TOLA (Theater of Latin America):

programa-a-latin-american-fair-of-opinion-2

Aula do Seminário de Dramaturgia de 1966

dramaturgia-3ra-aula-11_03_1966

Aula de 11/3/1966

O elemento essencial do teatro é o espetáculo de uma vontade livre, consciente dos meios que emprega para atingir um determinado objetivo, sendo que essa vontade conflitua com vontades antagônicas.

O que é liberdade? Essa definição se baseia nos estudos Hegel (Poética), onde ele já coloca o mesmo problema. Acrescenta que não se refere ao tipo de liberdade que não é a liberdade do cerceamento físico do personagem, quer dizer, o personagem pode ser livre mesmo em condições de sua liberdade física. É uma liberdade espiritual.

Continuar lendo

A Fábrica de Teatro Popular

Em 2017 se cumprem os 30 anos do belo projeto que nos trouxe de volta ao Brasil.

Por iniciativa de Darcy Ribeiro, um gênio, apaixonado e visionário, Boal, outro homem genial e apaixonado, veio trabalhar nos CIEPs, a genial invenção de Darcy. Não acho outra forma para descrevê-los.

Era impressionante ver os dois juntos, delirando, inventando, sonhando alto, dois furacões, duas tsunamis em ação. Faz bem à alma no meio de tanta, tanta, tanta mediocridade!!!!!

Fruto dos generosos delírios uma ideia: a Fábrica de Teatro Popular.

Animadores animados, usando teatro para discutir cidadania, direitos, igualdade.

Eucanãa, Silvia, Valéria,  Luiz Vaz, Luiz Boal, Rosa Luisa de Puerto Rico, Maria Libia, Noni, Claudete, Boal e eu.

Nos Cieps das periferias apresentado as nossas peças para o debate, debates que terminavam sempre com um farto lanche oferecido pelas experientes cozinheiras.

Saudades daquele tempo !! Como é possível que Darcy tenha perdido essa eleição?

No lugar de Darcy, Moreira Franco. No lugar dos Cieps:  escola integral, com as suas mães sociais, bibliotecas,  animadores culturais e escolas sucateadas.

Temos que aprender a cuidar melhor o que temos, a cuidar melhor dos brasileiros como Boal e Darcy porque são únicos, são nossos e são excepcionais.

Texto de Cecília Boal sobre a Fábrica de Teatro Popular

 

 

 

 

 

 

 

Homenagem à burocracia – Do baú do Boal

Cena Teatro-Fórum de Augusto Boal, em louvor à Burocracia, sem data atribuída.

HOMENAGEM À BUROCRACIA

Um casal passeia no jardim de sonho.

ELE – Que jardim tão lindo, cheio de flores.

ELA – Olha aquele menino andando de bicicleta – ele parece tão feliz e contente, vestido de azul.

ELE – E a menina brincando de boneca. Que gracinha, toda vestida de cor de rosa.

ELA – Olha aqueles namorados… Como eles se amam…

ELE _ E aquela velhinha fazendo tricô… Que gracinha…

ELA – E aquele vovôzinho, lendo jornal com lupa e binóculo. ELE – Que bonito…

ELA – Ele lê todos os dias todos os jornais.

ELE – E vê todos os noticiários de televisão.

ELA – E sabe de cor o número de mortos na guerra do Iraque, na Faixa de Gaza.

ELE – E no Morro do Alemão.

ELA – Isso sim, é saber viver até o fim.

ELE – Tudo tão perfeito. Todo mundo tão feliz.

ELA – E a grama tão verde, tão fresquinha… O orvalho vem caindo e ela fica mais verde ainda.

ELE – É proibido pisar na grama, você sabia?

ELA – Claro que sei. Proibidíssimo.

ELE – Mas aquele bebê está pisando, amassando a grama… É proibido, mas ele não sabe.

ELA – Ele não está pisando: está engatinhando.

ELE – É a mesma coisa. A lei proíbe pisar pra proteger a grama, entendeu? O bebê está fora da lei.

ELA – Claro que não. O bebê não conhece a lei…

ELE – Eu sou estudante de Direito e sei muito bem que nenhum cidadão pode alegar ignorância da lei. O bebê existe, logo é um cidadão. Como tal, tem que se comportar como qualquer cidadão. O que o bebê está fazendo é uma transgressão á lei. Desobediência civil.

ELA – Não vamos brigar. Tudo estava indo tão bem.

ELE – Vamos continuar olhando as coisas bonitas que acontecem aqui neste parque.

ELA – Por exemplo…

ELE – Por exemplo, o quê?

ELA – Aquele cachorro. Qual é a marca daquele cachorro?

ELE – Não é marca, é raça.

ELA – Mesmo assim, qual é?

ELE – Pitbull.

ELA – Olha que boca grande ele tem, não é mesmo?

ELE – Olha os dentes.

ELA – Olha a cara de mau!

ELE – É feroz.

ELA – Mata?

ELE – Estraçalha.

ELA – Olha: ele também está pisando na grama. Isso também é desobediência civil!

ELE – Viu? O bebê deu o mau exemplo, agora todo mundo pensa que tem o direito de pisar na grama.

ELA – Ele está se aproximando do bebê.

ELE – Cada vez mais perto.

ELA – Engraçado: ele está sem focinheira.

ELE – E de boca aberta.

ELA – Vai lá salvar o menino, vai!!!

ELE – Se eu for, o Pitbull vai me comer. Ele está sem focinheira.

ELA – Como é que esse cachorro tem coragem de ameaçar o menino?

ELE – Porque ele está seguro da impunidade! Aqui é assim mesmo!

ELA – Toma esse pau. (Dá-lhe um pedaço de pau que estava no chão). Dá na cabeça do cachorro.

ELE – Mas é proibido pisar na grama. É proibido matar cachorro, mesmo sem focinheira.

ELA – É uma emergência! Vai, vai!!!

ELE – Olha que eu vou.

ELA – Vai.

ELE – Eu vou!

ELA – Vai!

ELE – Estou indo.

ELA – Depressa! (Começa a andar devagar na direção de onde se supõe que esteja o bebê e o pitbull. Ouve-se um apito. Aparece um guarda).

OMEÇA A ANDAR DEVAGAR NA DIREÇÃO DE ONDE SE SUPÕE QUE ESTEJA O BEBÊ E O PITBILL. OUVE-SE UM APITO. APARECE UM GUARDA).

GUARDA – Onde é que você pensa que vai?

ELE – Vou salvar uma vida humana.

GUARDA – É proibido.

ELA – Salvar bebê é proibido?!?!?

GUARDA – Não: pisar na grama.

ELA – Mas é uma emergência.

GUARDA – Se é uma emergência ou não, quem decide é a Instância Superior!

Ele – Qual?

GUARDA – A Secretaria de Gramas e Flores Exóticas.

ELE – Então, pede licença à Secretaria de Gramas e Flores Exóticas. Onde ela fica?

GUARDA – É na rua tal número qual. Só eles podem autorizar.

ELA – Mas o cachorro já mordeu o pé do bebê.

GUARDA – Esse é um outro problema: eu aqui estou cumprindo a minha missão, o meu dever. Tenho que fiscalizar, fiscalizo e pronto. Tenho que cumprir com a minha missão.

ELE – Eu quero salvar o bebê.

GUARDA – Mas eu tenho primeiro que salvar a minha pele. Se eu autorizo uma ilegalidade, quem paga depois sou eu!

ELA – O cachorro já comeu o pé do menino e está mordendo a perna: vai correndo buscar a autorização.

ELE – Eu vou. (Entra a funcionária) – É aqui a Secretaria de Grama e Flores Exóticas?

FUNCIONÁRIA – Aqui mesmo. Mas agora é hora do almoço e eu estou ainda no aperitivo.

ELE – Pelo amor de Deus: eu preciso de uma Autorização Especial para Pisar na Grama.

FUNCIONÁRIA – Tem receita médica?

ELE – É um bebê que está sendo comido por um cachorro no parque, e o cachorro não tem focinheira.

FUNCIONÁRIA – Identidade do cachorro, tem?

ELE – Eu sei lá!

FUN – Então o senhor tem que ir primeiro à Secretaria de Animais Sem Focinheira. Não é aqui, não.

ELE – Mas por quê???

FUNC – Procure me entender: quem está fora da lei, em primeiro lugar, é o cachorro, não é o senhor. Por isso, temos que abrir um processo contra o cachorro, porque assim manda a burocracia, e, se ficar provado que o cachorro tem dono, o dono também vai ser arrolado como testemunha.

ELE – Mas, pelo amor de Deus, me dê algum documento pra eu mostrar pro guarda.

FUN – Olha aqui: como eu tenho muito boa vontade, mas não posso me comprometer, – eu estou cumprindo com a minha obrigação, entende?, porque se não quem paga depois sou eu – eu vou lhe dar uma Petição, provisória, autorizando o senhor a pisar na grama, desde que o senhor se ofereça como garantia de que o cachorro, se não ficar provada a sua inocência, será obrigado a devolver todos os pedaços da perna do bebê já mastigados.

ELE – Prometo e me comprometo, juro e re-juro, mas me dê aqui essa Autorização provisória.

Fun – Que pressa é essa?

Ele – (Quase chorando) – É o menino vestido de azul… ele não gosta de cachorro…

FUN – Calma: falta o carimbo. Falta assinatura. Falta reconhecer a firma.

ELE – Do cachorro?

FUN – Não, a minha.

ELE – A senhora não reconhece a sua firma?

FUNC – Leve assim mesmo, pode ser que o Guarda tenha piedade do senhor. Tome. Leve. (Ele sai correndo)

ELE – Cheguei! Eu vou matar esse cachorro! Cadê o cachorro?

GUARDA – Que cachorro?

ELE – Cadê o bebê?

ELA – Deu uns gritos horríveis, você nem imagina, grito de gente grande.

GUARDA – Ah, agora eu me lembro: o senhor está falando daquele menino que vocês estavam querendo salvar do cachorro?

ELE – Esse mesmo.

ELA – Onde ele está?

GUARDA – O Pitbull comeu.

ELA – Mas agora nós já temos todos os papéis em ordem pra pisar na grama.

GUARDA – Pode jogar no lixo porque não serve mais pra nada. O Pitbull comeu o menino inteiro.

ELA – Comeu? Inteiro?

GUARDA – Pra dizer a verdade, inteiro não: deixou só alguns ossos. Comigo ficou esse osso aqui, mas eu não sei o que fazer com esse osso. (MOSTRA UM FÊMUR). Se quiserem, podem levar como recordação.

ELE – Ele não tinha duas pernas? Cadê o outro fêmur?

GUARDA – A mãe do menino levou como recordação. Leve este.

ELA – Obrigada.

GUARDA – E rasga essa petição. Não serve pra nada.

ELA – Não rasgo, não: eu vou guardar pra qualquer ocasião. Quem sabe, no domingo que vem, um lobo vem aqui pra comer o senhor em cima da grama, e eu vou salvá-lo.

GUARDA – Obrigado.

ELE – O senhor é um ótimo guardião da lei. Guarde a lei, guarde pro senhor! Boa noite!

 

II

Em seguida entra um funcionário, em outro ambiente mais burocrático.

FUNCIONÁRIO – Pois é: isso que o senhor está contando é muito interessante, muito ilustrativo, muito teatro, mas aqui na prestação de contas está escrito que vocês compraram passagens mais caras pela manhã quando, no mesmo dia, havia passagens mais baratas de tarde. Por que é que vocês não compraram das mais baratas?

CTO – Porque o nosso trabalho começava de manhã.

FUNCIONÁRIO – Podiam começar a tarde e vocês varavam à noite.

CTO – Nós trabalhamos com funcionários do Estado, eles têm horários que nós temos que respeitar.

FUNCIONÁRIO – Mas nós temos que respeitar a letra da lei.

CTO – A letra da lei tem espírito: vamos respeitar o espírito.

FUNCIONÁRIO – E tenho que ler o que está escrito, porque o TCU vai ler o que está aqui, não vai ler o espírito.

CTO – O senhor sabe que o nosso trabalho é importante…

FUN – Importantíssimo!

CTO – Em todas as prisões onde nós trabalhamos as relações entre os funcionários e o presos melhorou, diminuiu a violência, todo mundo está contente, quer que o nosso trabalho continue…

FUN – Mas vocês compraram as passagens de manhã que eram mais caras…

CTO – Nós compramos as passagens mais baratas que estavam à venda de tarde…

FUN – E tem outro problema: três pessoas que trabalharam nesse projeto assinaram a Ata de Fundação do Centro.

CTO – Porque acreditam no Teatro do Oprimido e queriam criar um Centro que fizesse o trabalho que estamos fazendo.

FUN – Mas assinaram.

CTO – Se elas não acreditassem, não assinariam.

FUN – Assinando, elas se tornaram inelegíveis para trabalhar no Centro.

CTO – São as únicas pessoas no mundo inteiro que podem realizar esse trabalho.

FUN – Vocês deviam fazer uma licitação.