Inauguração da Biblioteca Boal na Universidade de Buenos Aires

Foi inaugurada na Universidade de Buenos Aires, no Instituto de Artes del Espectaculo a Biblioteca Boal. Na próxima segunda-feira, dia 22 de Maio, será projetado o documentário “Tras las huellas de Augusto”, realizado pela produtora argentina VacaBonsai e por Cora Fairstein, Paula Cohen e Debora Markel. O documentário é sobre a passagem de Augusto Boal pela Argentina e os seus encontros com os teatreros portenhos.

O documentário na íntegra está em espanhol no canal do Youtube da produtora:
https://www.youtube.com/watch?v=dVslx8OmE3k

A POSSE COMO CULTURA

NO MESMO MOMENTO EM QUE LULA ESTÁ SENDO MASSACRADO PELA MIDIA MAIS SÓRDIDA E CONSERVADORA ENCONTRAMOS ESTE TEXTO DE BOAL PRONUNCIADO NO DIA DA POSSE
LULA FOI PERFEITO ? FOI TUDO QUE ESPERÁVAMOS DELE?
CERTAMENTE NÃO, MAS NADA COMPARÁVEL A ESSA CORJA DE FASCÍNORAS, A ESSA MAFIA QUE ESTÁ NO PODER AGORA
E FOI POR ISSO , POR ACREDITAR NUM PAIS MAIS JUSTO E SOLIDARIO , QUE PESSOAS DA MELHOR QUALIDADE , COMO BOAL , PAULO FREIRE, ANTONIO CÂNDIDO E TANTOS OUTROS, HOMENS E MULHERES , APOIARAM LULA
QUEM APOIA TEMER ???
a nossa voz não pode muito mais gritar eu bem gritei

A POSSE, COMO CULTURA
Augusto Boal

No mesmo dia em que foi proclamado Presidente Eleito, Lula anunciou seu programa econômico prioritário: acabar com a fome de cinqüenta milhões; sua primeira iniciativa internacional: estender a mão aos argentinos.
Anunciou, não pequenas opções micro-econômicas ou diplomáticas, mas a transformação radical da forma de governar – a inversão de prioridades e uma nova Ética, sem zonas cinzas: preto no branco. Anunciou que um Brasil novo começava a ser inventado: é preciso imaginá-lo para melhor construí-lo.
Lula não prometeu reforminhas, curativos de esparadrapo, mas uma Revolução copernicana: re-situar nosso país, dentro e fora de suas fronteiras.
O que vale para a Política Internacional e para a Economia, por coerência, vale para a Cultura.
Temos que abandonar de vez a idéia da existência de uma Cultura celestial, esvoaçante, e resolutamente adotar a idéia de que Cultura é o ser humano vivo, em todas suas atividades. Todo mundo a possui. Não devemos falar em Acesso à Cultura, como se fosse ela produzida por deuses, em Olimpos inalcançáveis. Como se cada brasileiro fosse página branca sobre a qual se carimbasse a Cultura, caída do céu.
Temos que afirmar que, quando respiram, quando trabalham, quando amam, todos os seres humanos produzem Cultura, mesmo quando esmagada por outras – donas dos meios de comunicação -, mesmo quando não se transformam em objetos de comércio.
A eleição de Lula foi única: jamais se viu festa popular tão sincera, esperança tão arrebatada, feita, não de expectativa paralisante, mas de paixão criadora: começo da realização do desejo, esperança impaciente.
A posse do Presidente Lula não poderá se reduzir aos rituais rotineiros, e apenas bater recordes numéricos: um, dois, três, ou cinqüenta e três milhões de gentes a mais na praça dos Três Poderes! Não apenas quantidade: qualidade.
Lula não será um presidente seqüencial: será o começo do Redescobrimento.
Sua posse não poderá se reduzir a uma obediente cerimônia protocolar em Brasília, mas deverá medir, milímetro por milímetro, oito milhões e meio de quilômetros quadrados de largura e comprimento, por cento e setenta e cinco milhões… de altivez.
No dia da posse, devemos decretar a prorrogação da Primavera por quatro anos ininterruptos. Em todas cidades e em cada povoado, cada um de nós deverá dar vida à sua Imagem do Sonho. O Projeto Cultural do Governo Lula deve resplandecer desde o primeiro dia, desde a posse!
Lula falou contra a fome e a favor da solidariedade dos oprimidos: devemos transformar, em arte, suas palavras. Temos que estetizá-las.
Estetizar significa transmitir pelos sentidos e não apenas pela razão. Lula falou palavras: temos que mostrá-las como sólidas, palpáveis e beliscáveis.
Temos que teatralizá-las, pintá-las, esculpi-las, cantá-las, torná-las concretas, fotografáveis, filmáveis.
Como fazer? É muito simples!
Primeiro: em todas as praças de todos os povoados do país inteiro, vamos realizar Feiras Culturais com as quais, desde manhã bem cedo, antes que fuja a noite – desde a primeira luz! – vamos acordar o sol com orquestras, bandas e blocos; pintores e escultores; artistas de circo e teatro, bordadeiras, poetas e repentistas, corais e solistas – ao ar livre, em vielas e descampados, todos em sincronia, nas cidades e nos campos, todos nós, em toda parte, vamos mostrar nossa arte. Vamos saudar o dia!
Segundo: em praças e ruas, o povo deve instalar mesas improvisadas, com toalhas limpas e lindas – mesmo que sejam de papel de embrulho, bordadas com tesoura e lápis de cor – para as quais deve trazer pão e comida, e dividi-los com amor.
Terceiro: isto é importantíssimo – todos devem estar comendo na hora da posse do Presidente Lula! No ato do juramento, quando ele disser – “Eu Juro!” – todos, no país inteiro, todos ao mesmo tempo, devemos levar à boca alimento, e mastigar com bravura, pois acabar com a fome ele jura: juremos juntos, comendo, juremos o mesmo juramento! O brinde ao seu governo deve ser mastigado com ganas e com verdade. Devemos ser companheiros – comer o mesmo pão, coletivo. Em nossa mão aberta, oferecer, ao próximo, comida.
Quarto: a população deve dar o que tiver de descartável em suas casas e possa, a outros, ser útil: sapatos, roupas, móveis, espelhos, panelas, livros, quadros, violões e reco-recos, quaisquer objetos que tenham serventia, que saiam do armário e venham todos à luz do dia. Dar e trocar!
Quinto: para essas Feiras, devem ser convidadas comunidades estrangeiras que vivam no Brasil, para que tragam sua dança, música, comida – vamos dialogar.
Sexto: após a posse, em ruas e praças, todos os esportes serão praticados; pingue-pongue, jogo de malha e peteca, bola de gude, pulo de corda e carniça, voleibol, basquete, luta romana e grega, corridas, ginástica, trapézios… Tudo é Cultura.
Sétimo: em uma tribuna visível, cidadãos terão direito a três minutos de fala para fazerem propostas de governo, que deverão ser levadas a sério, às Câmaras, analisadas, votadas. A sério, que com a lei não se brinca!
Enquanto em Brasília dura a festa, no Brasil vive a alegria. Depois, vamos dormir mais cedo: o Dia da Posse será prenúncio e mostra do Mandato Popular – será proclamado o Dia da Cultura.
Estamos sonhando, é verdade, e o nosso sonho é sonho. Mas, se hoje sonhamos, é porque temos agora o direito de sonhar o sonho verdadeiro: hoje, sonhar não é proibido: sonhar é possível. Sonhar… não é sonho.
Sonhemos!

Teatro Fórum com a peça Panchito Gonzalez

No dia 11 de abril de 2017 na Casa Rio, a Companhia Atores da Fábrica encenou o texto “Panchito Gonzalez”, uma adaptação do texto do dramaturgo argentino Osvaldo Dragún. A encenação faz parte o ciclo Teatro e Economia, idealizado pelo Instituto Augusto Boal e o economista Luiz Mario Behnken e teve a participação de Eduardo Pinto, professor da Escola de Economia da UFRJ.

A ideia é promover o debate sobre questões econômicas a partir de cenas teatrais. Esta cena lidava com a questão do desemprego e logo após a encenação, foi realizado um Teatro Fórum utilizando as técnicas de Teatro do Oprimido.

No canal no youtube do Instituto Augusto Boal há todo o material deste dia e o vídeo do Teatro Fórum pode ser conferido neste link.

Homenagem a Nelson Xavier

Trazemos aqui documentos que mostram a importância de Nelson Xavier, autor, diretor e ator e sua relação com Augusto Boal e o teatro brasileiro. Nossa saudosa homenagem a este fabuloso artista que nos deixou hoje.

  • Foto de Nelson Xavier na peça “Chapetuba Futebol Clube”, escrita por Oduvaldo Vianna Filho e dirigida por Augusto Boal no Teatro de Arena em 1959.
xavier

Nelson Xavier, Xandó Batista e Milton Gonçalves em “Chapetuba Futebol Clube” (1959). Foto Hejo. Cedoc-Funarte.

  • Carta de 1982 de Nelson Xavier a Augusto Boal

“Você se lembra que nunca me entusiasmei muito com interpretação, lembra que eu desejava mesmo era escrever e dirigir. Pois bem, aconteceu uma coisa mágica este ano, que modificou isso. Eu interpretei Lampião, um seriado curto (8 capítulos) chamado pelo Grisolli. E não é que eu fiquei apaixonado como nunca na vida – não estou exagerando – por um personagem?”

Confira a carta na íntegra:

0079

 

“Caliban – A Tempestade de Augusto Boal” no Rio de Janeiro!

A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz chegou ao Rio de Janeiro!

 

Captura de Tela 2017-05-09 às 14.22.05.png

Foto de Pedro Isaias Lucas

O espetáculo “Caliban – A Tempestade de Augusto Boal” acontecerá dia 11 de maio, quinta-feira, às 16h na Escola Sesc Ensino Médio em Jacarepaguá.

A exposição sobre o Teatro de Arena, em circulação pelo Sesc, também estará na escola. É uma oportunidade única!

O endereço da Escola Sesc Ensino Médio é Av. Ayrton Senna, 5677.
De metrô é possível ir até a estação Jardim Oceânico e depois pegar o ônibus 535 ou ir até a estação da linha 2 Nova América/Del Castilho e em seguida o ônibus 614 ou 613.
O ponto de referência é a Passarela da Gardênia, na Av. Ayrton Senna, em frente ao Barra Music. A escola fica exatamente do lado oposto.

Esperamos todos lá!