“A Polícia também foi ao teatro sábado”

“Sábado, a polícia não deixou que a “I Feira Paulista de Opinião” fôsse encenada no Ruth Escobar: ocupou o teatro. Mas a peça foi levada “de qualquer jeito”, como protesto, no Maria Della Costa.

A Polícia Federal passou quase toda a noite de sábado na porta do Teatro Ruth Escobar, mas não conseguiu impedir a encenação da I Feira Paulista de Opinião, peça em que a Censura Federal fez 84 cortes.

O espetáculo, de protesto, foi considerado pela classe teatral uma “desobediência civil” às determinações da Censura: ninguém concorda com os cortes da peça e a classe teatral decidiram às seis horas da tarde de sábado, no Teatro Ruth Escobar, apresentar o espetáculo “de qualquer jeito” e afirmaram que continuarão levando a peça em vários lugares, ainda que ela seja proibida.

Na assembleia do Ruth Escobar, os artistas lembraram que a peça foi levada a Brasília há dois meses, para ser julgada pela Censura. Mas no dia da estreia ela ainda não tinha sido liberada. Então, eles resolveram fazer um ensaio geral, mostrando o espetáculo para o maior número possível de pessoas.

Somente depois desse “ensaio geral” é que ficaram sabendo que a peça tinha sido liberada, com 84 cortes. Isso para Augusto Boal, diretor da peça, significou “a mutilação do texto”. Então, eles resolveram partir para a desobediência civil. Boal explica:

“O primeiro a transgredir a lei foi a própria Censura. Segundo a Lei, uma peça precisa ser entregue ao Serviço de Censura Federal quinze dias antes da estreia. Em cinco dias o grupo interessado em levá-la teria a resposta. Nós mandamos a peça há dois meses e só no último dia é que foram liberá-la, mas além disso toda mutilada.” (…)

Dentro do teatro, os atores traçavam planos para que o espetáculo fosse levado e a Polícia Federal não interferisse. O delegado Roberto Sampaio, que chefiava os agentes dava explicações da atitude da Polícia Federal, na porta do teatro:

“Os artistas se rebelaram publicamente contra atos da autoridade constituída”

Dentro da assembleia, porém, os artistas já haviam traçado seu plano:

“O espetáculo sai em outro lugar, que já estamos providenciando. O local só vai ser revelado em cima da hora”.

E o Arena encenou assim a Primeira Feira Paulista de Opinião, no Teatro Maria Della Costa, despistando a Polícia. A notícia foi publicada no Estado de São Paulo no dia 10 de junho de 1968, e fala das dificuldades sofridas pelo Arena na apresentação da Primeira Feira Paulista de Opinião. Ela faz parte do nosso dossiê de jornais da Feira e essa semana, no clima de 50 anos da Feira, estaremos publicando algumas notícias que você pode encontrar também no nosso acervo: http://www.acervoaugustoboal.com.br

I0000299

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s