O OPRIMIDO INSOLENTE

Romario José Borelli – O Estado de São Paulo, caderno Aliás.
10 de maio de 2009

Augusto Boal estava no auge de sua efervescência criativa quando foi preso pela ditadura no Brasil, em 1971. Havíamos chegado havia pouco da Argentina, onde tínhamos feito uma longa temporada de Arena Conta Zumbi.

Para a viagem a Buenos Aires, Boal já fizera questão de levar com o elenco de Zumbi seu grupo experimental Teatro Jornal. Era o momento no qual ele começara a romper com as formas clássicas de teatro e com seus próprios ajustes ao teatro brechtiano. Surgiram assim formas de trabalho teatral menos comprometidas com o espetáculo tradicional, menos formais, ajustadas a qualquer espaço e realizadas por qualquer pessoa que quisesse ou precisasse se expressar. Ou seja, os recursos teatrais usados por “não atores”, de onde surgiram os seus Teatro Jornal e Teatro Invisível, que finalmente desaguaram no Teatro do Oprimido.

Mas Augusto Boal foi muito mais que o criador dessas formas teatrais. Ele foi um agitador cultural como ninguém, que via em tudo uma possibilidade de expressão e a implementava com celeridade e precisão. Sua fala sempre ligeira quase não dava conta de seu raciocínio ainda mais rápido. Ele era sempre guiado pelo visionarismo, no bom sentido da palavra, e sempre dirigia seu foco para onde outros ainda não tinham percebido que havia alguma coisa. Foi assim com o show Opinião (1964), onde brilharam Nara Leão, Maria Bethânia, Zé Keti e João do Vale (com texto de Paulo Pontes, Oduvaldo Vianna Filho e Jaime Costa), que se tornou um marco na cultura brasileira e abriu caminho para os musicais; Foi assim com Arena Conta Bahia, onde lançou Gilberto Gil, Caetano Veloso e Gal Costa. Foi assim com o “sistema coringa”, em que adaptava a estrutura do “corifeu” e do próprio “coro” do teatro grego a uma busca de expressão do teatro brasileiro. Lançou toda uma teoria a respeito, que estruturava a dramaturgia de Arena Conta Tiradentes, escrito com Gianfrancesco Guarnieri, seu grande parceiro. Também escreveram juntos Arena Conta Zumbi, que fez enorme sucesso no Brasil e no exterior. Estes dois espetáculos tornaram-se marcos na luta contra a ditadura.

Seu Teatro Invisível era uma forma de teatro relâmpago, em que um ou mais atores realizavam, num espaço público, uma performance não revelada como teatro. Por exemplo: dois atores conversavam no balcão de um café e um deles começava a contar como tinha acabado de passar por uma situação truculenta da polícia, enquanto os demais frequentadores do café ouviam, mesmo disfarçadamente. Isso servia como denúncia da truculência policial.

Um caso famoso do teatro invisível deu-se em Milão, onde um casal de atores do Grupo de Boal saiu desfilando pelas galerias de um shopping center e o ator puxava a atriz por uma coleira. Outros atores, disfarçados como frequentadores do shopping fizeram uma intervenção, provocando uma discussão com aquele que puxava a coleira. Isso envolveu mais frequentadores, veio a polícia e armou-se uma grande polêmica, que serviu para trazer à tona o debate sobre a sujeição e a O próprio Augusto Boal acabou sendo “vítima” do Teatro Invisível quando atores suecos fizeram uma intervenção em um de seus seminários em Estocolmo e, vestidos como policiais, prenderam-no. Depois de muita discussão sobre a violência da polícia e a burocracia do Estado que não tinha liberado o seminário eles se identificaram e o “soltaram”.

Esse era Augusto Boal, cidadão brasileiro conhecido e respeitado em todos os países, dramaturgo, teórico de teatro, diretor, poliglota.

Escrevi-lhe algumas vezes quando ele estava na cadeia. Era uma situação estranha, pois o pouco que tinha para lhe dizer teria de passar por minha própria censura, antecipando a leitura dos carcereiros que lhe entregariam a carta. Então, já mandava a carta aberta por portador para não lhes dar trabalho. Eu não tinha que esconder que era do Teatro de Arena, o que provavelmente eles sabiam. Como também sabiam que não representava nada, que não era ninguém senão um jovem perplexo (22 anos), que demonstrava respeito e solidariedade por alguém que sofria. Dizia-lhe apenas que confiasse que estávamos levando o Zumbi e o Teatro de Arena da melhor forma e contávamos com sua volta quanto antes.

Não foi tão fácil. Boal continuou preso e o Arena saiu do Brasil com passaportes alterados para não chamar atenção para nossa condição de artistas de teatro, com o agravante de sermos do Teatro de Arena. No espaço para profissão dos antigos passaportes, tínhamos profissões diversas. Eu era “comerciário” num triste passaporte que ainda tenho. Note-se que a informatização e a unificação das informações do Estado ocorreu bem depois; na época, sem computadores, era mais fácil burlar as cancelas da ditadura. Fomos para uma turnê pela França.

Estando lá começamos uma campanha pela libertação do Boal aproveitando o Festival Mundial de Teatro de Nancy , em 1971. Duas pessoas se destacaram nessa luta: o ator Antônio Pedro, que, além da militância política, tinha um ótimo domínio do francês; e Jaques Langue, que era diretor do Departamento de Cultura da Universidade de Nancy e anos depois foi Ministro da Cultura de François Mitterrand e Ministro da Educação de Jacques Chirac.

Com a pressão internacional, depois de três meses Boal foi solto e foi encontrar-nos em Paris. Não é necessário dizer o que isso significou. Um dos momentos mais especiais de minha vida foi quando me sentei com ele num café de Montmartre. Ele pediu “deux ballons rouges, s’il vous plaît!”. Não tínhamos nada a dizer, a tarde estava caindo e Paris se iluminava. As taças de vinho tinto falavam por nós, restava-nos degusta-las.

Boal seguiu sua trajetória brilhante pelo mundo, abrindo caminhos, iluminando cantos escuros de nossas mentes. Visionário, não podia deixar de ser socialista, sempre comprometido com a libertação do homem. Sabendo que o sistema, este sim, é invisível, quando não é uma ditadura escancarada, criou formas e técnicas para denuncia-lo. Criou um método para que o homem usasse os elementos básicos dessa arte milenar que é o teatro para libertar-se do sistema econômico, dos tabus do sexo, da opressão da convivência com os demais, da religião, da burocracia e de qualquer humilhação. Ao contrário do que muitos pensam, sua vida não foi dedicada ao teatro. Usou o teatro para dedicar-se aos direitos humanos.

Isso vale à pena mais que tudo no mundo. Foi o que Boal nos ensinou. Essa foi sua missão.

Romario José Borelli, musicista, historiador, dramaturgo. Foi violonista do Teatro de Arena, onde fez Arena Conta Zumbi, Arena Conta Tiradentes, Feira Paulista de Opinião. Também como músico trabalhou em Roda Viva, de Chico Buarque e Morte e Vida Severina, de João Cabral de Melo Neto. Durante três anos foi diretor musical da Cia Paulo Autran. É autor da peça O Contestado.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s