Carta de Boal a Paulo José sobre Murro em Ponta de Faca

Em 1978, ainda no exílio na Europa, Augusto Boal aguardava a primeira encenação de sua peça Murro em Ponta de Faca

Após receber um telefonema dos artistas envolvidos na montagem – que foi realizada pela companhia Othon Bastos Produções Artísticas – ele enviou uma carta ao diretor, Paulo José. Boal temia que alguns elementos do texto só pudessem ser compreendidos por outros exilados. Na mensagem, ele demonstra satisfação por descobrir que os atores não tiveram dificuldades.

A Carta a Paulo José (clique para visualizá-la) foi incluída no programa da peça.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s