ECOS DA HOMENAGEM AUGUSTO BOAL 80 ANOS EM SÃO PAULO 3

BOAL, 80 ANOS.

           

Longa vida à memória de Augusto Boal! Proclamou Maria Rita Kehl…

Devemos muito ao Boal! Constatou Celso Frateschi…

Uma salva de palmas para Boal! Pedi à jovem platéia do teatro…

Nos reunimos na Companhia do Latão para homenagear o Boal, que faria este ano 80 anos. Teatro cheio, muita gente de pé, um clima solene com o som inicial do Hino Nacional executado e cantado pela moçada do Teatro União Olho Vivo, comandada pelo César Vieira.  Um tempo com todos entreolhando-se: é pra levantar ou ficar sentado?  Um bumbo logo alterou o ritmo com cadência e os instrumentos deram uma guinada para o samba e o coro gingou como num terreiro de escola de samba! Todos se animaram na platéia e acompanharam sentados na batucada patriótica! Agora o tom era de Boal! César Vieira saca muito o Mestre! O contraponto entre a letra rebuscada e a batida de samba remeteram à idéia que os alemães tiveram da proposta de Boal: um teórico da alegria e do humor! Sério na proposta, sorrindo da execução! Brecht com nariz de cloown! Isso encantou toda a Europa por todas as informações que nos chegam sobre a atuação do Boal no velho e carrancudo mundo.

Depois do samba Sérgio de Carvalho, diretor do Latão, abriu a  sessão, anunciando uma cena especialmente composta para a ocasião: cenas de Hamlet com tempero de Boal, fusão de Shakespeare com o texto da autobiografia do filho do padeiro. Uma delícia! O tom inicial e grave do bardo inglês na cena da aparição do fantasma, foi sendo aos poucos, em cenas posteriores, quebrado pelo tom cheio de verve e humor do carioca da Penha. Em vez de ser ou não ser, a proposta do Boal do “ser e não ser”! A dicotomia que leva a um enfoque dialético! Vibrei eu, que fui aluno do mestre e bebi durante dois anos essa dialética que mudou minha visão do mundo.

Em seguida, as palavras de Sílvia Balestreri fizeram uma fusão de frases das memórias imaginadas por Boal do livro “Hamlet e o filho do padeiro”, e de e-mails trocados por ela e o Mestre durante os últimos anos. Risos e lágrimas, que Sílvia conseguiu disfarçar muito mal. E a platéia sorriu e disfarçou as lágrimas com ela.

Depois dos risos e lágrimas, a revolta contida e educada nas palavras do ator Celso Frateschi, que mencionou o teatro jornal, que deu origem ao Teatro do Oprimido, a grande criação do Boal. Celso nos falou do espaço do Areninha, dos ensaios corridos do Teatro Jornal, da interessante contribuição do Sábato Magaldi e outros intelectuais que divulgaram corajosamente, em tempos de ditadura, essa criação de forte contestação aos acontecimentos vivos daqueles difíceis dias. E acrescentou com vigor, sempre educado, sua decepção pela fraca acolhida do nosso país à criatividade e trabalho monumental que Boal levou o mundo a fora.  Considerado gênio em vários países, Boal ainda não teve o reconhecimento que merece aqui no Brasil. Por que?

A seguir a demonstração viva de um exercício do teatro do Oprimido, comandado pela Kely di Bertoli, fez a platéia se divertir. Um jogo teatral em que três personagens marcham com postura marcial, em contraponto com outro personagem que deseja dançar! A repressão dos marchadores impedem a expansão lírica da ginga do bailarino. E acabam por impor de forma brutal a imobilidade do sambista com sua violência e arrogância. A platéia discute! O que fazer?! Como o bailarino pode exercer sua liberdade contra o poder da força?! Novos bailarinos tirados do público, tentam caminhos para quebrar a imposição dos três personagens militares. E ao final, um espectador mais esperto acaba por induzir, com charme e astúcia, os militares a passarem da marcha ao gingado do samba! Aplausos!

Maria Rita Kehl, tomando o exemplo, conta com humor delicioso seu primeiro contato com Boal. Psicanalista como Cecília, mulher do Augusto, ela visitava o casal, sentia a gentileza do mestre mas ele sempre tinha um motivo para se isolar em seu aquário, cuidar de seu trabalho. Até que um dia Cecília convenceu o marido a ouvir uma palestra de Rita sobre televisão. Não deu outra: o ilustre marido de Cecília entendeu que Rita estava absolutamente sintonizada com o mundo dele e abriu um longo diálogo. Rita escreveu: “Ele não tinha nada a aprender comigo, embora tenha percebido em mim, rapidamente, uma aliada. Mas percebeu também que poderia me ajudar a ampliar meu horizonte de psicanalista de esquerda. E prosseguiu com emoção e entusiasmo: “duvido que alguém tenha passado por ele sem aprender muito. Mas, como todos sabem, ele não era nem um pouco professoral. Simplesmente o modo de ele estar no mundo, com o outro, era este: pensante, pensante, pensante. Pensava com entusiasmo, descobria e transmitia com entusiasmo. Por isso, ensinava”. E para a plateia jovem que já havia participado do jogo proposto pela cena dos marchadores e do bailarino, ela expôs: “vou direto ao ponto: com ele entendi que a subjetividade é um palco e nós, que nos achamos tão espontâneos e autênticos, estamos sempre representando. Entendi também que o papel que escolhemos representar, nos modifica. Este é o “milagre” operado pelo teatro do Oprimido. Quando escolhemos o papel de agentes transformadores da realidade em que vivemos, este papel há de nos transformar para que sejamos capazes de contribuir com a transformação social. Se escolhermos o papel de vítimas passivas, ficaremos passivos e vitimados, a fazer um teatrinho de lamúrias e denúncias”.

Boal: “Somos Teatro mesmo que não façamos Teatro”

Coube a mim seguir com o ritual. Sim, por que naquele momento depois do Hino, das apresentações, das palavras cheias de humor, alerta e emoção, o clima de ritual se impunha. Pela grandeza da figura do homenageado! Mas sem caretice, sem solenidade. O que me impressionava naquele momento era a absoluta coerência que havia em todas as intervenções. Aquele “ser e não ser” lançado pelas cenas do Hamlet, sintetizavam, a meu ver, a base em que se apoiava toda a visão do Boal, e que ele, de forma magistral, nos municiara no seminário de Dramaturgia e nas aulas da Escola de Arte Dramática: era um processo de uma riqueza espantosa, porque não estabelece regra de feitura de peças teatrais, ao contrário, estabelece um método de pensar a ação dramática. É muito mais eficiente e eficaz pensar a ação dramática como um sistema, do que estabelecer uma série de regrinhas rígidas de boa dramaturgia. O sistema parte da dialética do Hegel, a famosa tríade, tese, antítese, síntese e mostra que se dramaturgia é refazer a vida no palco, é possível compor vidas e relações a partir da dialética.  Enfim, não me cabia pontificar teorias naquele momento, apenas fazer uma constatação. Apressadamente mudei o assunto, contando uma passagem de minha relação com o Boal que nos rendeu momentos heróicos.

Como o cerco da polícia da ditadura crescia a cada momento, o contato entre os autores estava difícil. Qualquer reunião tornava-se alvo de vigilância. Pensávamos, logo éramos suspeitos…

O Sesi, organização dos industriais, mantinha um grupo de teatro. Também pensavam mas não eram suspeitos. Alguém procurou o Osmar Rodrigues Cruz, diretor do grupo, que logo convidou os principais autores de São Paulo para um jantar. E em local reservado do restaurante pudemos abrir nossas bocas não apenas para comer, mas para desabafar, falar das dificuldades, da terrível censura que se abatia sobre o país. Logo estávamos irmanados em nossas angústias, quando, num insight, surgiu uma grande sacada: vamos fazer um espetáculo com peças dos autores de São Paulo mais em evidência! O Boal, com sua habitual argúcia, ampliou imediatamente: “Uma feira! Uma feira com teatro, música, artes plásticas, enfim toda comunidade artística envolvida!”

Assim nasceu a Feira Paulista de Opinião. Autores escreveram peças, Ruth Escobar ofereceu seu Teatro (Gil Vicente), compositores fizeram músicas, muitos artistas plásticos enviaram trabalhos! O espetáculo se armou:

Tema, de Edu Lobo, Enquanto o Seu Lobo Não Vem, de Caetano Veloso, O Líder, de Lauro César Muniz, O Sr. Doutor, de Bráulio Pedroso, ME.E.U.U. Brasil Brasileiro, de Ary Toledo, Animália, de Gianfrancesco Guarnieri, Espiral, de Sérgio Ricardo, A Receita, de Jorge Andrade, Verde Que Te Quero Verde, de Plínio Marcos, Miserere, de Gilberto Gil, A Lua Muito Pequena e A Caminhada Perigosa, de Augusto Boal.

As 80 páginas das peças voltaram da censura com apenas 15, liberadas! 65 páginas cortadas! O que fazer?! Socorro! Socorro Cecília! Vem me ajudar a liberar… quero dizer… vem me ajudar a espanar minha memória para contar essa odisséia!

Cecília Boal juntou-se a mim no palco e rimos muito da tragédia que vivemos! Em agosto de 1968, estreamos nossa Feira, na cara e coragem, na marra! Boal conta em seu livro: ”No dia da estréia proibida, surgiu o movimento artístico de solidariedade mais belo que já existiu! Artistas de São Paulo decretaram greve geral nos teatros da cidade e foram se juntar a nós! Cacilda Becker, no palco, com a artística multidão atrás, em nome da dignidade dos artistas brasileiros, assumiu a responsabilidade pela Desobediência Civil, que estávamos proclamando! A classe teatral aboliu a Censura! Estrondosa ovação: vitória da Arte contra a mediocridade! Vitória da liberdade de expressão. Democracia!!!”

Mar de rosas? Cecília lembrou que no dia seguinte, a polícia cercou o teatro. Como fazer o segundo espetáculo?! Os atores se agruparam, espalharam para o público que o espetáculo seria feito no Teatro Maria Della Costa, onde estava a Fernanda Montenegro com uma peça. Solidária conosco, participou de uma manifestação no palco, onde os atores cantaram músicas do nosso espetáculo. Enquanto isso os policiais confusos, invadiram a peça do Chico Buarque, “Roda Viva”, que estava no teatro Galpão, também no Ruth Escobar. Pancadaria! A Imprensa noticiou no dia seguinte: Guerrilha Teatral!

Depois o espetáculo se apresentou na íntegra em Santo André. E nosso advogado, conseguiu com um Juiz amigo uma liminar que nos possibilitava voltar com o espetáculo. Mas sabíamos, conta Cecília, que policiais em roupa civil, rondavam o espetáculos. Diante da violência contra os atores e atrizes de Roda Viva, alguns se armaram! Um fuzil até apareceu magicamente no teatro! Armas e munições, dois seguranças nas laterais do palco, protegendo os atores.

“Eu morria de medo”, confessa Cecília. Mas o espetáculo permaneceu em cartaz por algum tempo… Com os recos do CCC rondando o teatro.  Uma salva de palmas para o Boal, gritei eufórico! A platéia de pé aplaudiu o homenageado que estava ali, juro, mais vivo do que nunca!

Depois as lindas palavras de Nita Freire, viúva do grande Paulo Freire, que criou um método de ensino no qual Boal se inspirou para criar seu Teatro do Oprimido.

E a música do União e Olho Vivo invadiu o palco outra vez com apresentação de um filme cheio de emoção, com a “Canção do Expedicionário”, tema do próximo espetáculo do Grupo “A Cobra Fumou”. César Vieira e Sérgio encerraram o encontro e os jovens emocionados entenderam a época difícil que vivemos e a força de nosso líder e Mestre.

Longa vida à memória de Augusto Boal!

Lauro César Muniz

SP  10.06.2011

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s