Teuda Bara lê “Aqui ninguém é burro” de Augusto Boal

No início da década de 1990, Augusto Boal é eleito vereador do Rio de Janeiro pelo Partido dos Trabalhadores (PT). Realizou seu mandato na Câmara de Vereadores entre 1993 e 1996. Ao final, publicou um livro chamado “Aqui ninguém burro”, com alguns de seus pronunciamentos-desabafos. O Instituto Augusto Boal convidou algumas pessoas para lerem trechos do livro. Teuda Bara, integrante do Grupo Galpão, lê trecho do capítulo “As leis do mercado e a lei do leão”.

Chico de Assis

Chico de Assis chegou ao Teatro de Arena de São Paulo em 1958. Trabalhou como ator e fez parte da fundação do Seminário de Dramaturgia criado pelo grupo.

Sua peça de estreia no grupo foi “A mulher do outro”. Em seguida, participou de “Eles não usam Black-tie”, “Chapetuba Futebol Clube” e “Gente como a gente”. Foi assistente de direção de José Renato em “Revolução na América do Sul”.

Em 1961 escreveu “O testamento do cangaceiro”, dirigido por Augusto Boal e vetado pela Comissão Municipal de Cultura de Santos (SP) durante o II Festival Brasileiro de Teatro na cidade. Em seguida, escreve “A aventura de Ripió Lacraia” e “Farsa com cangaceiro truco e padre”, que formam uma trilogia sobre literatura popular de cordel.

Hoje, Chico de Assis completaria 84 anos.

AB.AMOf.016

Chico de Assis e Sadi Cabral em “A mulher do outro” (1958)

Milton Gonçalves

Milton Gonçalves ingressou no Teatro de Arena de São Paulo em 1956 com a peça “Ratos e homens”, dirigida por Augusto Boal. O ator foi fundamental no início do grupo e na formação do Seminário de Dramaturgia.

Com o Teatro de Arena, atuou também nas peças”Eles não usam Black-Tie” (1957), “Chapetuba Futebol Clube” (1959), “Gente como a gente” (1959), “Revolução na América do Sul” (1960), “Pintado de Alegre” (1961), “O Testamento do Cangaceiro” (1961), “A Mandrágora” (1962) e “Arena Conta Zumbi” (1963).

Com 60 anos de carreira, comemoramos hoje os 84 anos de Milton Gonçalves e sua imensa contribuição para o teatro brasileiro.

Colecao_04_Infoto

Milton Gonçalves e Flávio Migliaccio em cena de “Revolução na América do Sul” (1960)

 

 

Show Opinião, show-verdade

O Show Opinião surgiu após o Golpe de Estado de 1964. Com o aumento da repressão da ditadura militar no Brasil, o grupo do Teatro de Arena de São Paulo se separou e seus integrantes foram morar em outros estados.

Augusto Boal passou um tempo na cidade de Poços de Caldas (MG) e, em seguida, foi para o Rio de Janeiro. Nessa época, se uniu a membros do CPC da UNE (Centro Popular de Cultura da União Nacional de Estudantes) para criar um espetáculo como resposta à ditadura.

A resistência contra o governo militar se organizava na cidade e um dos espaços de efervescência político-cultural era o restaurante Zicartola, mantido por Cartola e sua mulher, Dona Zica. O local era o ponto de encontro de sambistas de destaque, dentre eles Nara Leão, Zé Ketti e João do Vale. Daí surgiu o Show Opinião, no qual cantores, cantando, contariam suas histórias:

Nosso show-verdade era diálogo: João lia a carta que escreveu ao pai, ao fugir de casa, menino; lia para Nara, lágrimas rolando, lágrimas que vestiam suas palavras. Nara respondia com ternura, olho no olho, carinhosa: “Carcará. Pega, mata e come”.  (Augusto Boal em sua autobiografia, “Hamlet e o filho do padeiro”)

Acervo Instituto Algusto Boal

Teatro Experimental do Negro

O Teatro Experimental do Negro (TEN) surgiu em 1944 e se propunha a trabalhar pela valorização social do negro no Brasil através da educação, da cultura e da arte. Abdias Nascimento, fundador do grupo, publicou este artigo relatando a importância do TEN no movimento negro e na história do teatro brasileiro.

Em 1957 o grupo estreou a peça “O mulato” do dramaturgo norte-americano Langson Hudges. Geraldo Campos de Oliveira foi um dos fundadores do TEN e falou um pouco sobre a peça e o movimento em reportagem:

AB.Irj.001.10

Matéria disponível em nosso Acervo Online

 

“Arena conta Zumbi”

Em 1968 foi gravado o LP “Arena conta Zumbi”, com as músicas utilizadas no espetáculo. Os autores da peça Augusto Boal e Gianfrancesco Guarnieri em conjunto com Carlos Castilho, diretor musical, assinam o texto na contracapa do LP:

“Esta peça foi encenada pelo Teatro de Arena de São Paulo no dia 1º de maio de 1965.

A letra de “Zambi no Açoite” é de Vinicius de Moraes.

Neste disco cantam os atores que interpretaram a peça originalmente. Não se trata de um disco de “música”, no sentido convencional, mas, sim, de um documento sobre o espetáculo. Por esta razão não seria compreensível convidar para esta gravação cantores profissionais. Não se procurou sequer sanar os defeitos mais óbvios que se pode facilmente constatar. Estas falhas fazem parte de uma experiência mais ampla, “Arena conta Zumbi”, peça e espetáculo em que se procurou utilizar totalmente todos os meios e instrumentos estéticos que as artes plásticas, a musica e a poesia podem oferecer.

Neste momento, no Brasil, processa-se uma verdadeira revolução estética e a primeira autenticamente brasileira. Outros movimentos importantes certamente aconteceram anteriormente, porém refletindo, e muitas vezes tardiamente, fenômenos idênticos acontecidos no estrangeiro. A mais avançada arte brasileira de hoje não segue modas, estilos ou formas de fazer, que por acaso floresçam em metrópoles. É uma arte que surge do homem que procura, lutando e perdendo e lutando ainda, conquistar sua posição de sujeito. O Brasil produz, assim, uma arte em que as barreiras entre estilos e gêneros são destruídas, como se destroem as próprias barreiras entre uma arte e outra. O Brasil produz agora uma arte impura. Em “Arena conta Zumbi”, peça e espetáculo formavam-se de impurezas. Todas estas impurezas foram carinhosamente conservadas nesta gravação. Estamos certos de que esta necessidade será entendida.”

As músicas gravadas no LP estão disponíveis em nosso SoundCloud

“O cavalo e o santo” e o Teatro Experimental do Negro

Em 1953 o jovem e recém-formado em Engenharia Química Augusto Boal se muda para Nova York para especializar-se em plásticos e petróleo na Columbia University of New York.
 
Augusto Boal já escrevia pequenos textos teatrais relatando a realidade em seu bairro, a Penha Circular, no Rio de Janeiro. Algumas de suas peças foram encenadas pelo Teatro Experimental do Negro (TEN) devido sua aproximação com o fundador do grupo, Abdias Nascimento.
 
Foi através de Abdias que Boal entrou em contato com Langston Hughes, dramaturgo e poeta negro, considerado o “Sheakspeare do Harlem”, figura importante na luta por igualdade racial nos Estados Unidos e essencial para maior aproximação e interesse de Boal pelos estudos em dramaturgia.
 
Em 1954, ainda nos Estados Unidos, Augusto Boal escreveu a peça “O cavalo e o santo”, que foi encenada em novembro do mesmo ano pelo TEN, dirigido pelo jornalista Geraldo Campos de Oliveira.
 
O mesmo texto foi dirigido pelo próprio Boal em 1955 em Nova York com o Writers Group, um grupo de dramaturgia experimental do Brooklin.
AB.JRrj.1950.009

Crítica de “O cavalo e o santo”, peça de Augusto Boal apresentada pelo Teatro Experimental do Negro no Teatro Colombo, escrita por Oscar Nimtzovitch em 19 de novembro de 1954 na Coluna ‘Comédia’ no jornal Correio Paulistano. Documento disponível em nosso Acervo online