A traviata e a sambópera de Augusto Boal

No ano de 1999 o dramaturgo Augusto Boal inaugura a sambópera, a releitura de obras operísticas da tradição clássico-romântica. Nesta releitura o dramaturgo problematiza a questão do multiculturalismo no seio da sociedade brasileira.  “A Traviata: A Metáfora do Desejo” foi encenada em 2002, no Teatro Glaucio Gil com a direção geral de Augusto Boal e a direção musical de Jayme Vignoli.

Na foto, a atriz Ana Baird em cena.

#dobaudoboal

Traviata6 (2).jpeg

Técnicas de Teatro Jornal

teatrojornal1 1

O Teatro de Arena de São Paulo publicou em 1971 o livro de Augusto Boal “Categorias do Teatro Popular” em que Boal definiu quatro categorias:

  • Teatro do povo para o povo
  • Teatro do povo para outro destinatário
  • Teatro da burguesia para o povo
  • Teatro Jornal

No capítulo sobre Teatro Jornal, Boal desenvolve 9 técnicas para utilizá-lo. Publicamos aqui o último capítulo do livro, com as nove técnicas.

 

O Corsário do Rei na imprensa

Augusto Boal escreveu a peça “O corsário do rei” em 1985, em seu retorno a Brasil após 14 anos exilado. A peça, encenada no Rio de Janeiro, no Teatro João Caetano, suscitou intensa discussão na época, revelando as divergências da classe artística no período posterior a ditadura militar. Seguem duas reportagens que ilustram este momento.

Texto de Tarso de Castro publicado n´A Tribuna da Imprensa em 1 de outubro de 1985:

Os corsários do fascismo - Tarso de Castro.jpg

Entrevista de Christine Ajuz e Marília Martins publicada na Revista IstoÉ em 23 de outubro de 1985: